Trapster

Trapster 3.0.3

Use o Android para evitar multas de trânsito

Trapster é um aplicativo para Android que permite fugir das indesejadas multas de trânsito. Fácil de usar e grátis, funciona com a ajuda da comunidade de usuários. Ler descrição completa

PRÓS

  • Grátis e fácil de usar
  • Totalmente personalizável
  • Permite inserir pontos que não estão nos mapas
  • A comunidade de usuários atualiza informações

CONTRAS

  • Apenas em inglês

Muito bom
8

Trapster é um aplicativo para Android que permite fugir das indesejadas multas de trânsito. Fácil de usar e grátis, funciona com a ajuda da comunidade de usuários.

Você não aguenta mais as multas de trânsito. Perde a paciência quando tem de consultar as multas no Detran, gasta um dinheirão e muitas vezes acredita que recebeu a multa injustamente. Os dispositivos antirradar são oficialmente proibidos. É preciso dirigir com atenção redobrada ou usar o Trapster no celular.

O Trapster avisa onde estão os possíveis radares. Você acompanha tudo em um mapa atualizado em tempo real. São várias opções de alertas diferentes. O Trapster acusa se há radares, câmeras em semáforos, batidas permanentes e policiais escondidos.

O sistema de alertas dinâmicos do Trapster é o grande ponto forte. Não precisa ficar de olho no visor do celular o tempo todo. Por usar tecnologia GPS, o Trapster usa a velocidade e a direção do deslocamento para que soem os avisos sonoros. Tudo isso, claro, se o aparelho tiver GPS.

Sua cidade ainda não possui registros de radares pelas ruas? No Trapster você adiciona os pontos críticos que quiser manualmente. Claro que sua indicação é avaliada pela comunidade do Trapster. Crie uma conta grátis no serviço e compartilhe a informação com todo mundo. O orçamento fica mais equilibrado com o Trapster e você dirige com mais tranquilidade.

Trapster

Download

Trapster 3.0.3

Opinião usuários sobre Trapster

  • "Trapster"

    Já instalei, ainda não usei, mas acho que será muito útil, com relação ao idioma se colocado em espanhol, já quebra um g... Mais.

    escrito em 11 de julho de 2011